Volkswagen pressiona fabricantes de baterias porque nem todos estão convencidos com a mobilidade elétrica

Apesar do crescimento no mercado dos carros elétricos, nem todos estão convencidos de que a mobilidade elétrica veio para ficar. A Volkswagen diz que apesar do seu investimento de 50 mil milhões de euros em baterias, terá de criar joint ventures e ajudar a financiar a produção de baterias, para persuadir os seus fornecedores mais céticos a dar o salto e a aumentar a produção de baterias.

A informação foi dada por Stefan Sommer, membro da direção da Volkswagen, que disse à Reuters há parceiros que têm de decidir entre construir fábricas para baterias de automóveis elétricos, ou baterias para smartphones e ficam na dúvida sobre o que fazer.

O problema prende-se com os avultados investimentos necessários. Por outro lado, no caso dos componentes normais, os fornecedores podem sempre tentar vender componentes não aproveitados a outras marcas. Mas se as coisas não correrem bem para a Volkswagen, não haverá ninguém a quem vender as células para baterias.

Carros elétricos excedem previsão na evolução de vendas

Todas estas dúvidas acontecem apesar dos muitos indícios sobre a apetência geral por carros elétricos (VEs). A evolução das vendas neste mercado está a ultrapassar todas as expectativas e a ser ainda melhor do que o desempenho previsto pela tradicional “curva S”.

Fonte: Ark Investment

A “curva S” descreve aquilo que acontece às vendas com uma tecnologia nova, como é o caso dos smartphones ou carros elétricos. Quando a tecnologia é introduzida, passam-se vários anos em que o aumento das vendas é muito lento. Neste periodo, só os entusiastas é que adquirem o novo produto. Mas há um momento na vida da nova tecnologia, seja ela o smartphone ou o VE, em que as vendas disparam repentinamente porque o público em geral começa a comprar – ou seja, este gráfico representativo do ciclo de vida do produto e das vendas cria uma imagem semelhante a um S deitado; daí o nome. No caso dos carros, a Ark Investment indica que o gráfico representativo das vendas dos carros elétricos tem um desempenho melhor que o da tradicional “curva S”, deixando muitos analistas de mercado completamente perdidos.

Márcio Florindo

Foi jornalista de tecnologia durante 15 anos e mais recentemente dedicou-se aos temas da mobilidade elétrica e energias renováveis. É apaixonado por ciência desde que se lembra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *