Fotossíntese: cientistas mais perto de criar hidrogénio limpo e ilimitado

O hidrogénio ainda não é uma solução energética verde, por variadas razões. Mas a principal são as elevadas emissões de CO2 associadas à sua produção. Todavia, isto poderá mudar em breve.

Um grupo de cientistas descobriu um passo essencial no processo da fotossíntese, que permite às plantas separar os átomos de hidrogénio e oxigénio presentes na água. Com esta descoberta, poderá vir a ser possível produzir hidrogénio de forma ilimitada e barata, sem emissões de CO2.

A descoberta foi feita por cientistas da Universidade Nacional Australiana (ANU) e do Instituto para a Conversão de Energia Química Max Planck (MPI-CEC). O Dr. Nick Cox, investigador principal, disse que “numa hora, a Terra é banhada por energia solar suficiente para alimentar toda a atividade humana durante um ano”.

O estudo revelou uma enzima essencial ao processo de fotossíntese das plantas. A Dra. Maria Chrysina, do MPI-CEC, disse que “a meio do processo, a enzima desenvolve a capacidade de esticar como uma concertina, o que permite à absorção ordenada de água começar o seu processo de separação” em hidrogénio e oxigénio. Sem esta molécula, o processo de fotossíntese seria desequilibrado, dando origem a mais moléculas de oxigénio do que hidrogénio, o que pararia o processo.

A nossa opinião

Apesar de ser uma descoberta importante no processo de fotossíntese natural, a equipa de cientistas não diz qual será o próximo passo nem quão perto estão de poderem usar o conhecimento num processo industrial de produção de hidrogénio através de fotossíntese sintética. Assim, e infelizmente, continuamos a dizer o mesmo que temos vindo a dizer: apesar de promissor para alguns problemas energéticos, o hidrogénio continua a não ser uma solução amiga do ambiente para já.

Márcio Florindo

Foi jornalista de tecnologia durante 15 anos e mais recentemente dedicou-se aos temas da mobilidade elétrica e energias renováveis. É apaixonado por ciência desde que se lembra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *