Como poupar dinheiro com um carro elétrico

Um carro elétrico tem várias vantagens: é silencioso, não produz poluição local e é mais barato de usar e manter que um veículo tradicional a gasolina ou gasóleo. Não acredita? Façamos algumas contas.

Para este artigo vamos olhar para a lista de carros mais vendidos em Portugal em 2018, tanto do lado dos veículos a gasolina como do lado dos veículos elétricos.

Nesta lista estão os modelos Renault Clio, Nissan Qashqai e Peugeot 208 nos primeiros três lugares. São carros que, segundo os seus fabricantes, têm um consumo combinado de entre 5,8 e 6,8 litros de gasolina por cada 100km percorridos.

No lado dos veículos elétricos, vemos que os modelos mais vendidos foram o Nissan Leaf, Renault Zoe e BMW i3. O consumo destes carros varia entre os 15,8 e os 16,5 kwh por cada 100 quilómetros percorridos.

Para este artigo, vamos também assumir que cada português médio percorre nove mil quilómetros por ano, e um preço médio de 1,53 euros por litro para a gasolina e 0,22 cêntimos por kwh para a eletricidade.

Com todos estes números, podemos, então, começar a fazer algumas contas.

Custo anual do combustível

Fazendo as contas, os veículos a gasolina gastam, em média, cerca de 853 euros por ano em combustível. Num veículo a eletricidade este valor fica-se pelos 328 euros, o que significa uma poupança de quase 525 euros, ou 62%.

Claro que estes valores são uma média que não reflete necessariamente a realidade. Por exemplo é normal quem tem carro elétrico escolher uma tarifa de energia mais vantajosa, seja através do uso dos tarifários bi e tri-horário, seja através das tarifas específicas para a mobilidade elétrica que algumas empresas oferecem. Nestes casos, é comum ver valores de nove ou dez cêntimos por kwh, em vez de 22 cêntimos, o que diminui consideravelmente o custo anual da energia: com este valor de eletricidade mais reduzido, percorrer os mesmos nove mil quilómetros custa apenas 132 euros, o que significa uma poupança de 721 euros relativamente aos veículos a gasolina.

E o gasóleo?

Não queríamos mencionar carros a gasóleo porque não só são mais caros como o gasóleo emite NOX, um poluente que é responsável por 400 mil mortes prematuras só na Europa. E nem os diesel mais recentes escapam a estes problemas, até porque as empresas continuam a não ser sinceras na hora de partilhar o desempenho real dos seus motores diesel em situações reais, fora do laboratório.

Mas para ter uma ideia, mudando os veículos que mencionámos para versões diesel, ainda assim gastávamos 638 euros em gasóleo por ano, em vez dos 132 euros de eletricidade.

Custos de manutenção

Estes cálculos são mais difíceis de fazer porque cada marca tem valores específicos para cada modelo, que varia também consoante a idade do veículo em questão. Todavia, o que podemos dizer é que os veículos elétricos têm o potencial para serem muito mais baratos do que os seus congéneres a combustível quando chega a hora de fazer a revisão. A razão é simples: um carro elétrico é muito mais simples do ponto de vista mecânico.

Pontos como mudança do óleo do motor, mudança de velas, correias de distribuição gastas, entre outras peças, são uma história do passado que um elétrico não tem. Por outro lado, as pastilhas dos travões quase não sofrem desgaste e duram muito mais tempo: sempre que tiramos o pé do acelerador, o motor passa a agir como gerador elétrico para recuperar a energia cinética, transformá-la em eletricidade e recarregar a bateria do carro. Este processo ajuda o carro a perder velocidade e a travar, pelo que o travão mecânico não é tão necessário. Mesmo quando pressionamos o pedal do travão, consoante a força aplicada e a velocidade do veículo, pode acontecer que o processo de travagem seja levado a cabo apenas pelo motor e não pelo travão mecânico, razão pela qual as pastilhas dos travões têm uma longevidade muito superior a um convencional carro com motor de combustão interna.

Para poupar ainda mais, veja com a marca do seu carro elétrico se as revisões são mesmo obrigatórias. Recentemente, a Tesla mudou a sua política de revisões, que passaram a ser opcionais.

Imposto Único De Circulação

No momento em que escrevíamos este artigo, os veículos elétricos estavam dispensados de pagar o Imposto Único de Circulação (IUC). Esta é uma poupança anual substancial, dado que mesmo os carros com cilindrada mais baixa pagam, pelo menos, 100 euros por ano de IUC.

Estacionamento

Em várias autarquias portuguesas, os veículos elétricos estão isentos das taxas de estacionamento. Se a vive numa cidade onde o estacionamento não se paga, esta é outra poupança substancial ao ano.

Para concluir

Claro que quando estamos a falar nas poupanças que obtemos ao usar um carro elétrico estamos a ignorar o facto de que o investimento inicial ainda é demasiado elevado para a maioria dos portugueses – mesmo tendo em conta o cheque de 3 mil euros que o Governo tem para oferecer a quem compra um destes veículos. Ainda assim, também é verdade que já há inúmeros modelos elétricos em segunda mão com preços muito acessíveis.

Faça uma pesquisa nos vários sites de venda de carros em segunda mão e tente encontrar um que se enquadre no seu orçamento.

Márcio Florindo

Foi jornalista de tecnologia durante 15 anos e mais recentemente dedicou-se aos temas da mobilidade elétrica e energias renováveis. É apaixonado por ciência desde que se lembra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *